Nada é Definitivo!

"Como o nome do Blog diz, não existe uma única verdade, portanto, sempre temos que investigar tudo o que nos dizem sobre a história, para que possamos chegar mais próximos de uma verdade. Este blog é apenas um dos vários caminhos que existem, sejam bem vindos."

terça-feira, 3 de outubro de 2017

O Impeachment do ex-presidente Collor


O Impeachment do ex-presidente Collor.
Este texto encontra-se no site mundoestranho.abril.com.br
O processo que culminou com a renúncia do presidente Fernando Collor de Mello, em 29 de dezembro de 1992, foi resultado de meses de investigação parlamentar provocada por denúncias de corrupção divulgadas pela imprensa. Ainda candidato, em 1989, o ex-governador de Alagoas era bem diferente dos políticos da época: relativamente jovem (39 anos), fazia cooper, andava de jet-ski e estampava frases de impacto, como “Não fale em crise. Trabalhe”, em suas camisetas.
Quando assumiu, em março de 1990, sua popularidade começou a ficar abalada ao confiscar o saldo das poupanças bancárias a fim de frear a inflação. Cada pessoa ficou com apenas 50 mil cruzeiros (hoje, cerca de R$ 6 mil) disponíveis e muita gente empobreceu da noite para o dia. Não deu certo: a inflação continuou crescendo e, em 1991, já passava dos 400% acumulados no ano, quando surgiram os primeiros escândalos de corrupção ligados a Collor.



Estudantes - "Os caras pintadas"

QUEDA LIVRE
Fraudes financeiras provocaram a cassação do primeiro presidente eleito por voto direto após 21 anos de ditadura.
1. Pedro Collor, irmão do presidente, concedeu entrevista à revista VEJA, em maio de 1992, denunciando um esquema de lavagem de dinheiro no exterior comandado por Paulo César (PC) Farias, tesoureiro da campanha eleitoral de 1989. Fernando acusou o irmão de insanidade mental – desmentida por exames.
2. O Congresso Nacional criou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar as denúncias. Vieram à tona esquemas como a Operação Uruguai: empréstimos fraudulentos para financiar a campanha de 1989. Além disso, contas fantasma operadas por PC financiavam a reforma da Casa da Dinda, onde Collor morava.
3. As ligações do presidente com os golpes de PC ficaram evidentes. Um carro Fiat Elba para uso pessoal do presidente foi comprado com dinheiro vindo das contas fantasma do tesoureiro de campanha. Em agosto, o motorista Eriberto França contou à revista Istoécomo levava contas de Collor para serem pagas por empresas de fachada de PC.
4. Em busca de apoio, o presidente fez um pronunciamento pedindo para que a população fosse às ruas, em 16 de agosto, vestida com as cores da bandeira nacional. O povo não atendeu e saiu vestido de preto, em protesto. Entre os manifestantes, destacaram-se grupos de estudantes batizados pela imprensa de “caras-pintadas”.
5. Em 24 de agosto, um relatório da CPI atestou que US$ 6,5 milhões haviam sido transferidos irregularmente para financiar gastos do presidente. A insatisfação popular aumentou e, em 29 de setembro, o impeachment foi aprovado por 441 dos 509 deputados. Collor foi afastado e substituído por Itamar Franco, seu vice.
6. Collor foi, então, julgado pelo Senado Federal. Em 29 de dezembro, o presidente renunciou para tentar engavetar o processo e preservar seus direitos políticos. No entanto, por 76 votos a 3, os senadores condenaram o presidente, que não poderia concorrer em eleições pelos oito anos seguintes.
CURIOSIDADES:
·          Também foram descobertas compras superfaturadas na Legião Brasileira de Assistência, entidade do governo presidida pela primeira-dama, Rosane Collor.
·          Collor foi eleito pelo Partido da Reconstrução Nacional, criado só para abrigar sua candidatura. Em 2000, o PRN virou PTC (Partido Trabalhista Cristão).
·          A renúncia foi ofuscada no noticiário pelo assassinato da atriz Daniela Perez por Guilherme de Pádua. A dupla contracenava na novela De Corpo e Alma, escrita por Glória Perez, mãe de Daniela.
·          Em 17 de setembro, ocorreu a maior manifestação contra Collor, com 750 mil pessoas lotando o vale do Anhangabaú, em São Paulo.

Que fim levaram?

Mortes misteriosas e reviravoltas políticas marcam a trajetória dos principais personagens do impeachment

FERNANDO COLLOR
Absolvido criminalmente pelo Supremo Tribunal Federal em 1994. Em 2006, foi eleito senador – cargo que ocupa até hoje – representando o estado de Alagoas.
PEDRO COLLOR
Morreu com 42 anos, em 1994, vítima de um câncer cerebral. A mãe, Leda, sofreu um AVC durante o auge da crise e ficou três anos em coma, até morrer, em 1995.
PC FARIAS
Condenado por sonegação fiscal, falsidade ideológica e outros crimes. Em 1996, em liberdade condicional, foi achado morto com a namorada – ambos baleados – em circunstâncias misteriosas.
OPOSITORES
“Estrelas” da CPI do impeachment acabaram passando de juízes a julgados, caso dos então deputados José Dirceu e José Genoíno, condenados no escândalo do Mensalão.
FONTES: Revistas VEJA e Istoé e jornais Folha de S. Paulo, o Estado de S. Paulo, O Globo e Jornal do Brasil; Livros Notícias do Planalto, de Mário Sérgio Conti e Morcegos Negros, de Lucas Figueiredo.


O Impeachment de Fernando Collor de Melo


Como foi o impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Melo
Texto elaborado Por Antonio Gasparetto Junior
Encontra-se no site da infoescola.
Mestrado em História (UFJF, 2013)
Graduação em História (UFJF, 2010)
Após muitos anos de ditadura militar e eleições indiretas para presidente, uma campanha popular tomou as ruas para pedir o afastamento do cargo do presidente Fernando Collor de Melo. Acusado de corrupção e esquemas ilegais em seu governo, a campanha “Fora Collor” mobilizou muitos estudantes que saíram às ruas com as caras pintadas para protestar contra o corrupto presidente.


Em 1985 chegou ao fim a ditadura militar, mas o presidente civil que assumiu o cargo não seria ainda eleito por voto direto. Em 1984 a população brasileira se mobilizou através da campanha Diretas Já defendendo um projeto de lei que determinaria eleições diretas para presidente no país. O projeto foi votado no Congresso e acabou sendo vetado, o direito reivindicado pelo povo só viria alguns anos depois. Finalmente na corrida pela presidência do ano de 1989 o povo teve seu direito de opinar sobre qual candidato queria no governo do país. Os dois candidatos que se destacaram nas campanhas eleitorais foram Fernando Collor de Melo Luís Inácio “Lula” da Silva.
Luís Inácio “Lula” da Silva era um metalúrgico cujo nome tinha ganhado grande notoriedade através dos movimentos de greve no ABC paulista ainda durante a ditadura militar. Por outro lado, Fernando Collor de Melo representava uma nova geração, sua campanha tenta mostrá-lo como um homem comum, havia muitas propagandas que mostravam o candidato praticando esportes. Fernando Collor de Melo era um político jovem que gerava uma grande expectativa na população por poder ser o primeiro presidente eleito após tantos anos de ditadura, seu discurso prometia livrar o país da corrupção e “caçar os marajás”, como denominava funcionários públicos fantasmas e os que faziam uso indevido do dinheiro público. 


Envolto por tamanha mística renovadora, acabou eleito e tomando posse em 1990.
Entretanto o governo de Fernando Collor de Melo foi cercado por escândalos e corrupção. Durante a campanha eleitoral, Collor argumentava que “Lula” confiscaria o dinheiro do povo, mas na prática quem fez isso foi ele. Collor lançou uma medida confiscando os depósitos em contas bancárias com valor acima de Cr$ 50, 000. Muitas pessoas e empresas faliram naquele momento e a reprovação ao governo do presidente começou a aparecer. A mal planejada abertura econômica, marcada por privatizações de empresas estatais e leilões de bens públicos, teve reflexos também na vida da população por conta da alta inflação.
A sociedade já questionava o governo do presidente Collor quando estourou o pior dos escândalos envolvendo diretamente o presidente. O irmão de Fernando Collor, Pedro Collor, denunciou e comprovou um esquema de corrupção envolvendo o presidente do Brasil. Tal esquema tinha participação fundamental do tesoureiro da campanha presidencial de Collor, Paulo César Farias. O episódio ficou conhecido como “esquema PC”.
Esse acontecimento foi decisivo para que a sociedade se organizasse e protestasse contra o governo. A União Nacional dos Estudantes (UNE), a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), DCE’s, centros acadêmicos, grêmios livres se uniram para organizar um gigantesco protesto exigindo o impeachment de Fernando Collor. Os estudantes saíam às ruas com as caras pintadas de verde e amarelo para engrossar a campanha Fora Collor no ano de 1992.
Com tantas denúncias e evidências contra Fernando Collor de Melo, antes ainda das manifestações de rua, a câmara dos deputados recebeu um pedido de afastamento do presidente assinado pelo presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), pelo presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), pelo presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e pelo presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE). O Congresso deu início então a uma CPI para apurar os acontecimentos. No dia 29 de setembro de 1992 cerca de 100 mil pessoas acompanharam a votação do impeachment de Collor em torno do Congresso, o qual foi aprovado tendo 441 votos favoráveis e apenas 38 contrários. Fernando Collor correu para renunciar e não perder seus direitos políticos, mas era tarde. Mesmo renunciando, o presidente foi caçado e impedido de concorrer em eleições por muitos anos. Era a conquista do movimento Fora Collor que representou grande pressão exercida pela população em todos os níveis. O juiz-forano e vice-presidente Itamar Franco assumiu a presidência e terminou o mandato em vigor.

Fontes:
http://napraticaateoriaeoutra.org/?p=1071
http://www.fpa.org.br/conteudo/fora-collor
http://www.une.org.br/home3/movimento_estudantil/movimento_estudantil_2007/m_9920.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Fora_Collor

domingo, 20 de agosto de 2017

Dia Internacional dos Povos Indígenas

Foram três aulas preparadas para a Turma da EMEF Guimarães Rosa
Aulas preparadas pelo professor David de História.

DIA 09 DE AGOSTO – DIA INTERNACIONAL DOS POVOS INDÍGENAS
1ª aula
Reconhecer a presença da cultura indígena no nosso dia a dia.
A inclusão da cultura indígena nos nomes de lugares. Ex: Bairro de Guaianases, A pessoa que nasce no Rio Grande do Norte é conhecido como Potiguar.
Nos alimentos: mandioca, angu, pipoca, tapioca etc.
Nos costumes: Rede de descanso e o hábito de tomar banho de rio.
Exprimir sentimentos: o uso da palavra jururu para que está triste.
Tinham nomes diferentes: na Austrália são conhecidos como aborígene, outras localidades como nativos e na maior parte da América são conhecidos como índios, como sabemos por um erro do navegador Cristóvão Colombo que durante as navegações chegou na América, porém pensava que tinha chegado na Índia.
Lembra para todos que só existe uma Raça entre os humanos e essa é a Raça Humana, sem diferenças e preconceitos, não existe o mais inteligente, o mais belo, ou seja, existe o diferente.
Não podemos falar de “ex-índio”, isto é, “índio aculturado” em contraposição a “índio selvagem”. Isso é muito usado pelo homem que quer dominar o outro ou muitas vezes se beneficiar com essa fala. Ex: latifundiários que querem ocupar terras indígenas.
As sociedades indígenas são múltiplas e diversas.
Ressaltar a importância do índio na história do Brasil.
Arariboia foi um chefe da tribo dos temiminós, grupo indígena tupi que habitava o litoral brasileiro no século XVI. Ajudou os portugueses na conquista da baía de Guanabara frente aos tamoios e franceses, em 1567.
Filipe Camarão (1591-1649) foi indígena brasileiro. Herói da Insurreição Pernambucana, "Capitão-Mor do índios", "Dom Filipe", "Cavaleiro da Ordem de Cristo" e "Fidalgo", títulos que recebeu do rei, por lutar na defesa do território brasileiro, contra o ataque dos inimigos.
Lembrar que os portuguesas não venceram os índios devido possuir melhores armas, ou por mais bravura e, sim devido a propagação de doenças que trouxeram da Europa.

Dança em tribo indígena

Índios caçando


2ª aula
Todos os grupos humanos estão em constante interação e mutação. (Explicar o significado dessas palavras).
Destacar a diversidade cultural de grandes povos da América. Ex: Os Astecas, os Maias, os Incas e o povo Tupi.
Explicar que embora na sociedade indígena havia divisão de trabalho entre os sexos, as mulheres ocupava em muitas delas uma posição hierárquica relevante na Amazônia. As principais divindades eram femininas e a linhagem era materna.
Sobre a diversidade de gêneros: A grande maioria das sociedades indígenas reconheciam mais de dois sexos. Ex: Homem masculino e o Homem feminino; A Mulher masculina e a Mulher feminina, pois entendiam possuir dois espíritos ou espírito duplo. Tinham muito respeito na sociedade, pois atendiam algumas necessidades da comunidade.
Indígena na História do Brasil. Como já foi citado os índios Arariboia e Poti, na expulsão dos franceses e holandeses em nosso território.
Ensinaram os caminhos dos sertões aos bandeirantes, portanto auxiliaram a formação do território brasileiro além do Tratado de Tordesilhas.


3ª aula
Antes da chegada dos portugueses, existiam aproximadamente de 3,5 a 5 milhões de índios no Brasil.
Segundo o IBGE, pesquisa realizada em 2012, existem 305 sociedades indígenas, falam 274 línguas e são aproximadamente 900 mil pessoas. A maior concentração ainda é o Estado do Amazonas, porém grande parte do território brasileiro ainda existe sociedades indígenas.
Hoje muitos ocupam cadeiras em Universidades, participam de manifestações políticas, realizam congressos indígenas, ocupam cargos nos poderes legislativo e executivo.
Existe a FUNAI (Fundação Nacional do Índio) órgão responsável pela proteção e realização de pesquisas sobre a população indígena.
Existem 100 mil índios fora de aldeias residindo em centros urbanos, inclusive nossa São Paulo.
Tribos com maior número de integrantes: Ticuna, Guarani, Caingangue, Macuxi, Terrena, Guajajara, Xavante, Ianomâmi, Paxató e Potiguara.
Dia 19 de Abril é o Dia Nacional do Índio. Comemorado no Brasil.
Dia 09 de Agosto é o Dia Internacional dos Povos Indígenas pela ONU.
Curiosidades: Eles não conheciam o Cavalo, o boi e a galinha antes dos portugueses chegarem por aqui.
Mitologia:
Iara - deusa dos Rios
Tupã – deus supremo
Jurupari – prejudica os humanos
Anhangá – o demônio
Curupira – Protetor das florestas e protegia os animais com filhotes.
Urubu – gostava do nascimento de menino.
Lagartixa – gostava do nascimento de menina.
Figuras de destaque de uma tribo:
Cacique é o chefe político que cuida dos negócios da tribo e em cada uma delas recebe denominações diferentes. Ex.: Os tupis o chamavam de moruxaua.
Pagé é um líder espiritual e curandeiro que tem uma importância fundamental nas tribos. Geralmente por ser mais velho, é também um homem dotado de conhecimento e da história da tribo. É ele que irá passar toda a cultura, costumes e história para as outras gerações. Sendo chamado de curandeiro em algumas tribos, ele que vai direcionar os rituais, ervas e plantas no trato de algumas doenças.
Fechamento das aulas:
“É preciso mostrar que o índio é contemporâneo e tem os mesmos direitos que muitos de nós”.
“Ser índio não é estar nu ou pintado, não é algo que se veste. A cultura indígena faz parte da essência da pessoa. Não se deixa de ser índio por viver na sociedade contemporânea” – Majoí Gongora (Antropóloga).
Texto elaborado pelo Professor David / História – EMEF Guimarães Rosa.
Fonte: